do nada acontece

por tam

é impressionante como esperamos sempre que algo aconteça. esperamos sempre que a vida siga em um certo ritmo. quando engata esse ritmo. e do nada desengata. o estranhamento pela falta de acontecimento choca-se com as expectativas desmedidas. o descontentamento com o marasmo. na verdade, a própria avaliação do conceito do termo. quando se acorda viva e se vive entre as pessoas, frequenta três lugares diferentes em um fim de tarde e, ainda assim, considera isso marasmo. afinal, como lidar com o sentimento de que algo está sempre prestes a acontecer? e então não acontece. viver a solidão na São Paulo da garoa parece que tem limites. quer liberdade maior do que viver no próprio tempo em um fim de tarde na noite gostosa que nos engole?

até minutos atrás, não incomodava estar comigo mesma… desenfreado foi o movimento de buscar alguém. mania nefasta da modernidade. a tecnologia nos retira esse grau de imprevisibilidade. a própria leveza do que deveria ser viver.