um pouco grinch

por tam

anonovo

*enquanto trabalho no balanço de 2014 no dia 31/12/2014;

**apenas sobre minha incompreensão frente ao estado das pessoas.

O espírito de final de ano nunca me envolveu. Natal. Ano Novo. Madrugadas como outras quaisquer. Tenho problemas com a subjetividade dos parâmetros de tempo. A contagem das horas, dos dias, das semanas e dos anos. Ainda assim, agora que já passou das 20h, o coração descompassa um pouco, acelera e volta. Não é espírito de final de ano, é o constante medo do futuro. Imprevisível. Logo após às 0h é um outro ano, porém, de uma mesma vida. O ímpeto da mudança que surge nas pessoas me incomoda. Hipócrita. Ilusão. Quiçá seja esta a combinação de palavras que sustente o tal do espírito de fim de ano. Algumas caixas de panetone se somam, também. Pode ser que não.

Conforme o tempo passa, tenho me tornado ainda mais amarga. Porventura, tal seja reflexo do gosto de tarja preta que a vida tem deixado nas bocas, na minha própria.